Carioca que conviveu e gravou com os Beatles reúne suas histórias em livro

A carioca Elizabeth Bravo tinha 14 anos quando resolveu trocar o seu apelido de “Beth” para “Lizzie”. A decisão foi tomada depois de ouvir o ex-Beatle John Lennon — por quem era completamente apaixonada — cantar a música “Dizzy Miss Lizzy”, de Larry Williams, cujo refrão diz “Você me deixou tonto, senhorita Lizzy”. Na época, ela ainda não sabia, mas acabava de criar uma espécie de personagem, que se tornaria alvo de admiração, curiosidade e até uma certa inveja de beatlemaníacos de todos os cantos do planeta. Lizzie vivenciou momentos únicos ao lado de John, Paul, George e Ringo. O mais marcante deles foi a participação como vocal de apoio na gravação da canção “Across the universe”. Essa e outras lembranças fazem parte do livro “Do Rio a Abbey Road”, criado a partir dos seus diários e lançado recentemente, ainda que de maneira informal, já com cerca 800 cópias vendidas para diversas partes do planeta.

— A ideia de transformar meus diários num livro já passava pela minha cabeça desde os anos 1960. Eu tinha consciência de estar vivendo momentos especiais. A partir dos anos 1980, fiz várias tentativas de iniciar o projeto, mas não consegui concretizá-lo. Só em 2014, ao lado da minha amiga designer Cecilia Leal de Oliveira, responsável pelo projeto gráfico, pela edição e pela finalização, a obra saiu do forno — conta Lizzie, que atualmente vive em Botafogo.

A apresentação do livro foi feita pelo escritor inglês Mark Lewisohn, amigo de Lizzie e autor de importantes obras sobre a trajetória dos Beatles. No texto, ele se lembra do impacto que sentiu, aos 9 anos, ao ler numa revista especializada a notícia de que duas garotas haviam sido convidadas para cantar com os músicos. “Quando eu tinha 9 anos, eu queria ser Lizzie Bravo”, escreveu o autor.

A jornada da carioca em busca de seus ídolos começou em 1967, aos 15 anos, quando ela ganhou dos pais uma viagem de férias para Londres e embarcou com a secreta ideia fixa de não voltar. Ao lado da amiga Denise e outras adolescentes, Lizzie passava os seus dias em frente ao estúdio Abbey Road e a outros pontos frequentados pelos Beatles, esperando por um alguns momentos ao lado dos astros.

— Ficávamos dias e noites, até mesmo no inverno pesado, vendo-os entrando ou saindo dos estúdios ou da casa do Paul (McCartney), que era perto. Acabamos chamando a atenção da polícia e percebi que a situação estava grave quando, num dia, um policial me chamou pelo nome — diverte-se.

Leia mais sobre esse assunto na Globo.com