O que a música diz sobre as pessoas?

Na ciência você adquire conhecimento primeiro e depois vem a fé, na espiritualidade a fé vem primeiro e depois vem o conhecimento. Na música nós temos uma adorável combinação de experimentar a fé e o conhecimento simultaneamente.

Podemos perceber com facilidade o que a música diz sobre alguém se prestarmos atenção em quem a “faz”. O consagrado pianista americano Herbie Hancock declarou que estamos em um tempo onde as pessoas não se interessam por música, elas gostam é das pessoas que as fazem.

Uma identificação com aquele que aparece, canta, dança, namora, veste e dá entrevistas, sendo o som em si, algo cuja a importância não é essencial.

A escuta mudou! Se você ainda tiver um equipamento três em um que existia na casa de seus pais ou avós, perceba que ele tem uma qualidade de som bem melhor do que o melhor equipamento à venda na loja especializada de sua cidade.

Ouvir música era uma atividade sensorial. Qualquer aparelho tinha caixas acústicas com graves, médios e agudos gostosos. O som entra pelos ouvidos, pela pele e pela barriga. Hoje, a relação é de identificação com o artista. Como dizia o velho provérbio – que muitos pensam ser bíblico, mas não é: “diga-me com quem andas e te direi quem és”. No caso da música, “diga-me quem ouves e te direi quem és”. E você? O que tem ouvido ultimamente? Com quem tens andado?

São músicas instrumentais ou canções? Instrumentais tendem a conduzir ao contato com seu ser, uma viagem de relaxamento e autoconhecimento, aumenta a autoestima e traz o foco.

Você tem ouvido canções? Com letras em inglês ou português? (já que em todo o planeta, e não só no Brasil, há o desconhecimento de músicas cantadas em outras línguas, ouvimos 99% das letras em português ou em inglês). Se for em inglês: você entende o que as letras dizem? Se for em português: o que as letras dizem?

A música diz muito sobre as pessoas e, assim como as companhias, um bom hábito é saber o que ouvir, pois é uma maravilhosa fonte de paz e energia. Sugiro “andar com fé eu vou” contra “um tapinha não dói”, sugiro “gente fina, elegante e sincera” a “que descem e rebolam, afrontam as fogosas”, proponho “basta ser sincero e desejar profundo, você será capaz de sacudir o mundo” a “os mano tá tipo bomba e as mina bumbum granada“ invista em “ o amor é o calor que aquece a alma” em vez de ”não sei se dou na cara dela ou bato em você”.

Leia a matéria completa clicando aqui